domingo, 18 de fevereiro de 2018

QUERIDA MARIA...

Ontem, após a assembleia geral do Sporting, Bruno de Carvalho, como contrapartida para ir menos ao facebook exigiu a todos os sportinguistas que: "Ponto um: a partir de hoje não compraremos nem mais um jornal desportivo, assim como o Correio da Manhã. Ponto dois: não vejam nenhum canal português de televisão, além da Sporting TV. "

Carta à Revista Maria, dia 18 de Fevereiro de 2018

"Querida Maria,  
                        
              Não, não vou perguntar se posso engravidar por me sentar no mesmo sofá que a minha mulher ou sequer por ter tido prazer a assistir a um filme pornográfico. Esta semana escrevo-lhe porque somos um casal de sportinguistas, daqueles a que é costume chamar ferrenhos, mas sinceramente somos mesmo é daqueles "doentes", de ficar uma semana sem dormir depois de um mau resultado. Por aí já pode compreender que dormimos muito pouco, o que tem sido péssimo para a carteira à conta de tranquilizantes e café. Não é que vejamos muita televisão. Como deves saber os noticiários são bastante deprimentes e a maior parte dos programas são de tal forma aborrecidos que acabamos o serão a jogar dominó, isto porque eu e a minha mulher - que também se chama Maria - já fomos casados e o Dom Manuel Clemente, Cardeal-Patriarca de Lisboa exige abstinência sexual a todos os recasados de maneira que agora fazemos vida de irmãos, sem sexo nem sequer piropos que agora são crime, tendo de aguentar até aos limites para não cair em tentação e cometer  incesto, o que, apesar de apimentar a relação, já ouvi dizer que também é proibido. Sei que a vida dos justos e dos puros exige sacrifícios e que dizem que estes ajudam a moldar-nos o carácter e nos tornam melhores, mas como vou agora saber do que se passa no país se não posso ver jornais nem televisão? E as telenovelas da Maria, agora que o Manuel das Couves está quase a saber que o filho da Etelvina afinal é seu? E os jogos da Liga dos Campeões? E o Ronaldo, Maria, e o Ronaldo? Como vou saber agora se ele vai ser pai pela quinta vez? Sempre nos disseram que ser português não era fácil, mas português, católico e ainda por cima sportinguista... misericórdia, ninguém aguenta. Ou como dizia o outro: Levem-me prá ilha!
#oladobdavida2 #abstinencia

sábado, 17 de fevereiro de 2018

GRANDE PECHINCHA

As grandes pechinchas que um tipo encontra no facebook. Já tinha ouvido que tudo se vende, tudo tem um preço, mas há cada coisa que não lembra nem ao diabo. O melhor mesmo é guardar bem a sua dentadura.
#oladobdavida2

A VOZ DAS PALAVRAS - O AMOR É UMA BOLINHA VERMELHA NO CANTO SUPERIOR DIREITO

(DES)CONSIDERAÇÕES SOBRE O AMOR

 Gli Amanti di Valdaro ou os amantes de Valdaro são dois esqueletos do neolítico, - dizem que são um jovem casal entre os 18 e os 20 anos - descobertos em 2007 numa necrópole próxima de Mantova, em Itália, com a particularidade de se encontrarem abraçados ternamente unidos assim há mais de 6000 anos, numa das imagens mais inspiradoras sobre um amor trágico, ao estilo de Romeu e Julieta. Com o dia dos namorados ainda fresco nas nossas memórias - e carteiras - não podemos deixar de fazer pertinentes comparações entre o amor como aprendemos a conhecê-lo até àquele como hoje o conhecemos, num ponto de vista maduro, sem todo o floreado cor de rosa dos contos de fada e as expectativas surrealistas do primeiro amor, da idade da inocência, do que é puro, da virgindade. Vivemos dias tão distantes, desses das nossas avós, dum tempo em que os casamentos duravam para sempre e nem sempre pelos melhores motivos, mas porque a igreja, a sociedade e a moral vigente assim o estipulava, fazendo-nos crer que a mulher tinha de obedecer ao marido, que era normal que ele a enganasse - por ser homem -, e que a violência doméstica ou as relações sexuais forçadas eram um mal menor, como um castigo, fado ou destino que teriam silenciosamente e obedientemente de suportar em  nome de uma instituição nem sempre consensual. Camões escrevia "mudam-se os temos, mudam-se as vontades" mas a prática desmente-o, como o atestam os resultados dum estudo apresentado esta semana em que os jovens portugueses falam sobre a violência no namoro, quer seja sexual, física como psicológica, com quase 70 por cento a considerarem essa mesma violência normal e muitos a atribuírem a sua responsabilidade às vítimas, como se os ciúmes, problemas mentais, familiares, álcool ou a maneira como se vestem ou agem justificasse essa mesma violência. A mulher continua a ser o demónio que se veste de mini-saias para atentar o Homem e o desviar dos caminhos de Deus. Uma mulher mais arranjada está a pedir que a violem e o pior é que muita gente acredita nisso, mesmo entre os jovens. Se isto me choca? Que ainda persistam mentalidades tão distorcidas, tão absurdas nos dias de hoje? Claro que me choca, como deveria chocar qualquer pessoa. Nada mudou desses tempos idos, uma mentalidade machista que queremos ultrapassada mas que vem passando incólume, desde o antigo regime, sobrevivendo à revolução dos cravos e aos peitos inchados de quem se diz moderno, liberal.  Continuamos os mesmos seres tacanhos, de instintos primários essencialmente selvagens do tempo das cavernas, confundindo amor com egoísmo quando o amor é exactamente o oposto, é abnegação é altruísmo. Não creio que haja algo mais importante na vida do que o amor, por alguém, pela natureza, pela própria vida, por nós mesmos e no fim de contas de que vale a vida sem amor? Mesmo que os casamentos não sejam tantas vezes para sempre, não sejam puros como nos ensinaram ou desejámos que fossem, mesmo que o amor nem tudo possa, nem tudo vença, o amor... ah, o amor!... faz-nos voar sem ter asas, dá-nos fé, levanta-nos do chão quando nele caímos. É nesse amor que me revejo e em que acredito, não aquele em que magoamos, em que agimos por interesse, em troca de algo, não aquele em que ficamos juntos porque a isso nos habituámos. O meu amor é o dos Amantes de Valdaro, sem prazos de validade, bom enquanto dure - e que dure para sempre, de preferência - mas sem precisar de máscaras, um amor sincero, sem limites nem tabus, intenso, um manancial de prazer e emoções, um orgasmo, um amor desejo daqueles que nos tiram a respiração e de preferência com bolinha vermelha no canto superior direito. Menos que isso, acreditem, não é amor.
#oladobdavida2 #osamantesdevaldaro

quarta-feira, 14 de fevereiro de 2018

SIMPLESMENTE AMOR

 Era para ser assim, "Simplesmente Amor", sem outras palavras que não fosse a junção destas duas,
porque o amor quando é verdadeiro não precisa de palavras, quando é de tal maneira intenso toda e qualquer palavra resulta insuficiente para o definir na perfeição. Podem dizer que a perfeição não existe, mas quando penso em algo perfeito é em ti que eu penso, é nos côncavos e convexos como na canção de Roberto, que nos fazem encaixar um no outro como peças de um mesmo puzzle, com todas as nossas qualidades e defeitos, com todas essas vicissitudes que o ser humano tem de tantas vezes complicar o que é fácil, mas se fosse fácil não teria o mesmo sabor. É isso que trouxeste à minha vida, o sabor e a cor das coisas simples, um outro olhar sobre o que realmente importa que só a idade e a experiência nos dão, a irreverente loucura de continuar a sonhar mesmo depois de tudo, a certeza de que gosto hoje mais de ti do que ontem gostava e menos do que amanhã vou gostar, porque cada dia a mais que passo ao teu lado é bem mais do que um dia sonhei para mim, talvez mesmo mais do que eu mereça. Não sei se um dia irei justificar tanta felicidade, te possa proporcionar tantos momentos inolvidáveis como aqueles que já me deste, mas é por isso que eu vivo, é por cada sorriso teu que eu acordo dia após dia, que eu tento nesta minha maneira por vezes tão atrapalhada de fazer as coisas errar cada vez menos, ser mais do que hoje sou, quem tu mereces que eu seja. Ensinaste-me que a vida não é apenas um amor e uma cabana, e eu sei que não é, mas também. É um namoro constante, uma conquista diária de quem não deve dar nada como certo, é uma flor que deve ser regada constantemente, é muito mais do que meras palavras bonitas, muito mais do que ajudar nisto e naquilo, que todos os beijos do mundo, é cumplicidade, é confiança, por vezes sacrifício e abnegação, é querer para o outro bem mais do que para nós mesmos. Um dia... um dia vou ser essa pessoa, mesmo que tão imperfeita,mas merecedora da tua confiança e respeito, capaz de te provar mesmo sem palavras que te amo, desses amores que duram mais que uma vida, para sempre e mais além, desses amores que fazem com que a vida valha a pena, porque sem ti não sei - nem quero - viver, nada faz sentido. Se sou feliz?  Sou abençoado, privilegiado por ter o amor da pessoa amada e isso, por mais simples que seja pode ser tudo.
#oladobdavida2


quarta-feira, 24 de janeiro de 2018

MAIS UM DIA NO MANICÓMIO - 4ª PARTE

fotografia de Angelo Carconi
  O Papa regressou nestes dias de uma viagem ao Chile, onde foi fortemente confrontado por causa duns padres chilenos que foram aos putos, algo incompreensível por estes lados, mais conhecidos pelas putas e vinho verde. Afinal tratou-se apenas de mais um de muitos episódios de pedófilia por parte do clérigo. Pessoalmente sinto-me mais descansado e embutido de uma fé católica incomensurável quando são pessoas como estas que me vêm pregar lições de moral. "Não peques, não cobices a mulher do próximo", blá blá blá whiskas saquetas. . São os famosos Direitos das Crianças na sua máxima expressão, direitos que só existem no papel e que são constantemente violados por pessoas tidas por exemplares e merecedoras da nossa confiança, como vemos com o escândalo das adopções na IURD e de tantos outros casos para os quais qualquer punição por mim imaginado seria sempre curto. Esta é a vida real, um dia normal no dia a dia deste manicómio em que vivemos, não as não-histórias dos pseudo-intelectuais que comentam sobre qualquer Super Nanny ou se inflamam com uma boa palmada no rabo ou um castigo aos meninos mal comportados ou que fazem birras. Somos loucos vivendo num mundo de cépticos ou cépticos num mundo de loucos? A verdade é que por vezes- não raras vezes - dou comigo a pensar que nos falta uma dose de loucura para nos adaptarmos a um mundo irremediavelmente insano. É que se essa mesma dose de sadia loucura é altamente recomendável, a sua prescrição em excesso tem os mesmos efeitos nocívos do excesso de liberdade. Quando nos damos conta é tarde demais e qualquer tentativa para o remediar resulta tanto como bater com a cabeça na parede. Lá diz o velho e sábio ditado: Quando não os podes vencer...
#oladobdavida2 #papa #iurd

MAIS UM DIA NO MANICÓMIO - 3ª PARTE

 FUI VÍTIMA DE ASSÉDIO SEXUAL

 Felizmente soubemos esta semana que o estado mental de Donald Trump é bom e recomenda-se - depois de uma rigorosa panóplia de exames e que essas coisas que se dizem é tudo birra do norte-coreano de cabelo esquisito, do venezuelano, do cubano, dos artistas americanos, dos mexicanos, dos negros e das associações feministas. Afinal parece que o único problema do actual Presidente norte-americano -dizem - é a gordura. Sim, há quem continue a engordar num tempo de vacas magras. E por falar em vacas, um estudo recente afirma que nós bebemos cada vez menos leite, inevitável consequência de se ter acabado a mama. Entre mamas e mamadas continuam as estrelas de hollywood na berlinda, o que tem ajudado à recuperação da memória de muitas candidatas a estrelas cá do burgo a quem tem vindo à memória experiências que até agora moravam no segredo dos deuses, como quem guarda cartas na manga para uma altura mais propícia. Sim, porque se os americanos têm a Angelina Jolie nós temos a Dânia Neto, Cristina Ferreira, Sofia Arruda ou Paula Marcelo, também elas vítimas dos James Franco e Woody Allen's nacionais. Já estou a imaginar os castings de Manoel de Oliveira, certamente bem mais animados que os seus filmes. Ao que consta, a saudosa duquesa de Alba nunca foi vítima de assédio sexual, já a lista de assediados ou aterrorizados por ela... Fosse eu menos introvertido e mais dado a novas experiências também eu poderia ser hoje uma estrela. Sim, porque também eu já fui vítima de assédio sexual, assim tivesse apanhado aquele sabonete naquela longínqua manhã nos tempos da recruta. Há pessoas assim, que preferem continuar a cheirar a cavalo mas de cabeça erguida e consciência tranquila. Conheço muitas pessoas assim. A maior parte anda a varrer ruas ou nas filas dos centros de emprego.
#oladobdavida2 #assediosexual #trump #vacas

MAIS UM DIA NO MANICÓMIO - 2ª PARTE

BRINCAR AOS MÉDICOS
Sem jogar mas acabadinho de ganhar a sorte grande está José Carlos Pereira, que 20 anos depois concluiu finalmente e em tempo recorde o curso de medicina. Sorte dele, azar dos pacientes, que cada vez que entram agora no Hospital Beatriz Ângelo, em Loures, rezam agora a todos os santinhos para que não lhes calhe em sorte - ou azar - os cuidados do alegado "actor" e alegado "apresentador" da TVI. Já o meu avô dizia que um homem que cura uma ferida não tem de ser forçosamente um médico, mas vivemos num mundo de aparências onde cada um faz aquilo que quer independentemente das suas aptidões ou especialidade. Somos profissionais do embuste, do desenrascanço diariamente travestidos num Carnaval de 365 dias. Por isso não é raro o Ministro da Agricultura pegar na pasta do Ministério dos Negócios Estrangeiros ou o da Educação ir para as pescas. É o mundo em que vivemos, o do faz de conta, sonhos de uma noite de Verão para quem a imaginação é fértil e tem tantos limites como bom senso. Só assim e com muito boa vontade podemos chamar actores a José Carlos Pereira em Portugal ou a Meghan Markle em Inglaterra, Só assim compreendo que Kátia Aveiro ou Maria Leal se achem cantoras e Puidgemont acredite que é Presidente da Catalunha. Um dia um tipo também chegou ao pé de mim e disse que era o Xerife. Antes isso que o Napoleão, ou o Elvis...
#oladobdavida2